Im.pulsa

Outubro 2, 2020. Por Pavio

O poder das voluntárias em campanhas eleitorais

Doar tempo, talento e suor é mais valioso que ouro.

Se você já navegou aqui na Im.pulsa,  que valorizar voluntários é um dos nossos assuntos favoritos <3. E se você ainda não parou para pensar no valor dessas pessoas em uma campanha, vamos te dar a letra: voluntárias doam tempo e isso é tão valioso quanto dinheiro. Acredite! 

Quando se identifica com o projeto em questão, além de capital humano, esse bonde todo também representa a existência de pessoas que se identificam com sua candidatura e que vão doar muito suor para alcançar o objetivo em comum de vocês: te ver eleita! 

Na prática, essas voluntárias vão, diariamente, assim como você, interagir com uma quantidade de pessoas para explicar seu projeto, a sua história e o seu diferencial. Seja no olho a olho, na ligação de telefone ou no WhatsApp. Elas são uma extensão de você, aonde quer que atuem. Por isso, motivação, confiança e treinamento são fundamentais! 

Ou seja, ao mesmo tempo que você está lá pedindo votos, ocupada trabalhando, tem outras pessoas fazendo isso com a mesma garra e apenas por amor a sua causa! Deu pra sentir a potência disso? Só imagina! Imaginou? Então, agora vem pôr em prática com a gente! 

Preciso de voluntárias, como eu faço? 

Listinha: O primeiro passo é você listar o nome e contato de todo mundo que você conhece. Sejam amigas, ex-colegas, vizinhas, familiares próximos e distantes. É pra colocar homens também, tá? Todo mundo MESMO.

Nem precisa perder tempo fazendo essa planilha. Já separa pra você! <3 Basta clicar aqui, criar um cópia para o seu Drive e colocar os dados dos seus contatos. 

A dica é que você escreva um textinho para essas pessoas contando que agora você é candidata e perguntando como elas podem te ajudar. São diferentes níveis de colaboração e, logo, comprometimento com a campanha: desde ajudar na divulgação em redes sociais, no prédio, no trabalho, pelo WhatsApp, ou indo às ruas e fazendo parte da equipe fixa. Qualquer ajuda é válida. 

Para se inspirar, vale ler o texto sobre a Experiência da deputada estadual Marina Helou. clica aqui e deixa em uma aba extra para acessar depois que terminar esse texto. 

Nas redes sociais: Mulher, aqui é a hora de usar todo o poder de disseminação da internet. A primeira coisa que você pode fazer é um post explicando seu projeto e perguntando se alguém tem interesse em te ajudar. 

A dica é disponibilizar um formulário online para que as pessoas reveladas preencham. Nele, elas podem colocar no que pretendem ajudar: comunicação, jurídico, boca-a-boca, divulgação nas redes sociais e por aí vai. 

Como somos maravilhosas, já temos um exemplo desse formulário aqui.  Basta abrir o arquivo no seu Drive e fazer uma cópia dele para usar como quiser, colocando a sua personalidade! 

Vale deixar um e-mail de boas-vindas pronto para essa galera. Assim, elas já vão sentir o quentinho no coração por acolhidas de cara. Neste e-mail, você pode dizer o quanto essa pessoa é importante na sua campanha, que a sua equipe está estruturando as atividades e em breve entrar em contato com novidades sobre como ela pode colaborar. 

Duas dicas importantes: 

  1. Crie uma conta de e-mail exclusiva só para conversar com as voluntárias. 
  2. Não deixe esse e-mail, em hipótese alguma, abandonado às traças. Manter contato constante com as voluntárias é parte essencial da campanha. 

Outra forma para usar como redes para chamar essa galera é criando posts perguntando quem tem interesse em receber materiais de campanha em casa. Pode ser para adesivar o carro, deixar um panfleto na caixa de correio dos vizinhos ou no trabalho, que tal? Um exemplo de sucesso é uma campanha da deputada federal Tabata Amaral, que conseguiu inúmeros voluntários com posts assim por todo o estado de São Paulo. 

A equipe dela enviava para a casa das eleitoras esse material e depois pedia para essas pessoas enviarem fotos para postar nas redes sociais da candidata e engajar novas voluntárias. A ação não parou por aí, porque em seguida, essas apoiadoras que recebiam materiais, criavam grupos de WhatsApp com as próprias amigas e amigos para divulgar mais ainda o material de campanha da Tabata. Explicamos direitinho toda a estratégia dela em uma Experiência que está disponível aqui na Im.pulsa. Clica aqui para ler;) 

Organizando voluntárias

Depois desse primeiro momento de conseguir voluntárias para a sua campanha, precisamos que você entenda que essas pessoas devem ser divididas em diferentes grupos. 

Porque? Porque, fundamentalmente, é natural que existam diferentes níveis de engajamento. Você vai se deparar com apoiadoras que vão te ajudar apenas pontualmente – em uma roda de conversa ou adesivando o carro – e aquelas que você pode contar com mais dedicação, que vai fazer parte do seu tempo fixo e será pau para toda a obra. Separá-las e entender como cada um desses grupos pode te ajudar é fundamental. 

Lembra da campanha da Tabata que falamos ali em cima? Pois é, os voluntários dela foram divididos em dois grupos: o primeiro era composto por pessoas mais próximas e realmente engajadas, a nível de utilizar folgas do trabalho para ajudar; e o segundo apoiadores que ela conseguiu nas redes sociais, tanto os que super interagiam em postagens quanto aos kits recebidos com material de campanha em casa. 

A forma de divisão dos grupos fica ao seu critério. Nós sugerimos que você separe em até três grupos, no mínimo: 

Tempos de rodas de conversa: formados por aquelas pessoas que topam fazer para apresentar a sua candidatura para amigos e familiares. Vale tudo, desde apenas uma conversa, até um jantar ou churrasco.

Time das redes sociais: formado por aqueles que são engajados nas redes, que compartilham tudo que você posta, comentam, podem participar de um compartilhaço, que têm o grupo no WhatsApp para divulgar suas ideias ou que podem ser acionados caso você precise se defender de uma notícias falsas. Aqui, você pode pedir para sua equipe ficar de olho nas pessoas desconhecidas que interagem nas suas redes sociais e mandar caixa de entrada solicitando o contato dessa pessoa para criar uma relação mais próxima e uma rede cada maior vez e mais sólida. 

Times das ruas: formado por todas as pessoas que podem te ajudar a colocar o bonde na rua para fazer carreatas, visitar eleitores e panfletar com você ou por você.  

Para entender o melhor sobre a organização dessas grupos e como usar essa força de trabalho a depender do tamanho da sua candidatura, veja o nosso guia abaixo:

Engajando e treinando voluntários

Contar com trabalho voluntário é maravilhoso e poderoso. Mas sem coordenação e motivação, esse poder pode acabar se dissipando. É possível que apareça gente muito disposta, mas sem conhecimentos básicos. Também é normal que a motivação da equipe oscile durante o tempo de campanha. E aí, como resolver? Nada melhor que construir um vínculo de transparência, cuidado e checagem constante.

Uma troca frequente entre você e todos que colaboram na sua campanha é essencial para que a vontade de participar não diminua ao longo do processo. Pelo contrário, ao interagir diretamente com as candidatas, as voluntárias fortalecem todo o movimento. 

Se for possível, destaque alguém para receber as pessoas que chegam, entendendo como se conectam com a candidatura, sanar dúvidas e evidências como expectativas de ambas as partes. Essa pessoa, sua Coordenadora de Mobilização, também pode mandar um calendário de gestão, com datas e ações em que são acionadas. Temos um modelo prontinho desse calendário aqui. 

Além de organizar essas voluntárias, você (ou sua Coordenadora) precisa treiná-las! Porque, lá na ponta, o intuito é que elas convertem esse apoio todo em mais e mais votos para você, candidata! E para votos, suas voluntárias precisam:

  • Estar familiarizado com as ideias e mensagem-chave da sua campanha;
  • Saber rebater críticas, desconstruir argumentos maldosos e questionar notícias falsas;
  • Conhecer o cenário político geral da campanha;
  • Saber um pouco como a concorrente tem atuado e quais são seus pontos fracos.

Deu para sacar porque é tão importante um treinamento? Criamos uma Vídeoaula imperdível com um passo-a-passo de como fazer um ótimo evento de treinamento. 

Como fazer eventos de treinamento para voluntários

Então bora aprender e começar a motivar essa galera? Pra já! Nesta videoaula, Marina Frota vai te dar um help!

Uma informação importante para esses eventos para voluntários é que você está presente, candidata! A sua equipe voluntária está nesse projeto por você. Portanto, a sua presença é mais do que fundamental. 

Fizemos um roteiro para a realização desses eventos de treinamento e também de troca com as voluntárias. Nele, temos um script do que não deve faltar para que seja bem sucedido! 

Ainda não acabou: você tem que engajar aquela galera que tá lá nas redes sociais te apoiando também! Motivo-como compartilharem, curtirem, comentarem. Fale para trocarem a capa do Facebook, que divulguem o apoio a campanha e que mudem a foto das redes sociais para uma imagem que possua o número da campanha. Peça também para criar um grupo de WhatsApp com as amigas delas e você ou um membro da sua equipe. É muito importante aumentar a rede!

Se você não fizer parte desses grupos, uma ideia é criar conteúdo exclusivo para eles, como vídeos e áudios agradecendo o apoio de todo o mundo, em especial aquela voluntária que criou o grupo. 

Por último, lembra aquele e-mail que falamos para criar exclusivamente para contato com os voluntários durante uma campanha? Ele pode também ser usado frequentemente para você se comunicar com essa galera. Nós temos um modelo com dicas de e-mails que você pode enviar durante uma campanha e no período pré e pós, para manter esse pessoal em contato constante. Veja aqui. 

Prestação de contas

Essa parte é importante, mana, já anota aí: para a legislação eleitoral, todo o trabalho voluntário realizado para uma campanha é considerado uma doação de campanha e deve ser informado, considerando o valor estimado do serviço doado. 

Um exemplo: se uma amiga sua trabalhar para a sua campanha, ela deve assinar um Termo de Doação de Serviços Voluntários e um recibo eleitoral. Os dois documentos devem ser assinados, escaneados e anexados ao SPCE – Sistema de Prestação de Contas Eleitorais.

Só aquelas pessoas que participam da campanha, ativamente e com muita frequência devem ter esse termo assinado. Uma pessoa que participe de uma única panfletagem não precisa assinar. 

A rigor, a justiça eleitoral pode pedir a você que apresente 3 orçamentos para comprovar o valor estimado do serviço prestado, mas geralmente não é necessário. 

Aqui temos o modelo deste Termo de Doação pra você só copiar, colocar os dados da sua campanha e da sua doadora e pronto! Uma burocracia a menos;) 

E, abaixo, o passo-a-passo do que você e sua equipe devem fazer para prestar contas direitinho: 

  • Ter uma cópia do CPF e RG da pessoa voluntária;
  • Ter o Termo de Doação e emitir o Recibo Eleitoral;
  • Ter uma assinatura da pessoa voluntária;
  • Escanear os documentos;
  • Atualizar o lançamento no SPCE com os documentos escaneados.

Pós-campanha

Uma campanha acabou! E que tal pegar os comentários desse time de voluntárias? Lembra que nossa dica de ouro era sempre valorizar muito bem cada uma delas? Pois é, agora é o momento delas e deles falarem e abrir o coração sobre a experiência que tiveram. 

Criamos este formulário para ser enviado a todas que colaboraram ao seu lado. Isso fará com que você aprenda com uma experiência e saiba aplicar como ideias em uma próxima campanha e até mesmo sem seu mandato.

E aí, depois desse # textão fica a lição: voluntárias engajadas e bem treinadas é igual a uma campanha forte e mais competitiva! 

Pavio

O Pavio Criativo é um Estúdio de Soluções em Comunicação que atua em projetos com propósito. Temos ampla experiência em campanhas políticas e marketing eleitoral. Co-criamos e realizamos campanhas de impacto como a Im.pulsa e projeto Me Farei Ouvir, além de colaborar com outros tantos que alimentam nossa criatividade de propósito.

e-mail

Fique por dentro!

Receba as novidades da Im.pulsa no seu e-mail